VIDEOAULA COMPLETA SOBRE OS LIVROS DA UFSC!

VIDEOAULA COMPLETA SOBRE OS LIVROS DA UFSC!
Clique na imagem para assistir

Aulas com o Prof. Edir em Floripa!

Aulas com o Prof. Edir em Floripa!
DESCONTO ESPECIAL PARA MATRÍCULAS FEITAS EM SETEMBRO!

ALUNOS


Material Cronistas do Descobrimento

Clique Aqui para Carta de Caminha

Clique Aqui para Relação da Viagem de Pedro Álvares Cabral (Piloto Anônimo)

sábado, 25 de abril de 2009

Noções Básicas de Literatura: Texto Literário e Texto não-Literário

1. Fundamentos da Literatura

A Literatura é uma manifestação artística. Trata-se, portanto, de uma representação da realidade, inventada por seu autor. Essa invenção, por sua vez, acaba se constituindo como um novo universo, do qual tomam parte os leitores.


Autopsicografia

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

E os que lêem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.

E assim nas calhas de roda
Gira a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama o coração.


(Fernando Pessoa)

Se fosse da natureza do homem o não ser ele mais do que um indivíduo, o desejo da arte (ler livros, ir ao teatro ou ao cinema, etc.) seria absurdo e incompreensível. Esse desejo do homem de se desenvolver e completar indica que ele é mais que um indivíduo. Sente que só pode atingir a plenitude se apoderar-se das experiências alheias que potencialmente poderiam ser dele. E o que todo homem sente como potencialmente seu inclui tudo aquilo de que a humanidade, como um todo, é capaz. (Ernst Fischer)

A essência da arte literária está na palavra. Observe:

1- Os homens normalmente sentem saudades de sua infância

2- Eu tenho saudades da minha infância.

3-
Oh! Que saudades que tenho
Da aurora de minha vida,
Da minha infância querida
Que os anos não trazem mais!

Os três textos abordam o mesmo tema, mas o fazem de formas diferentes. O primeiro texto, ao contrário dos demais, generaliza um sentimento comum. O segundo, ainda que confira um caráter pessoal a esse sentimento, apenas se limita a fazer uma constatação. Já o autor do terceiro texto (Casimiro de Abreu) utiliza todas as possibilidades expressivas da linguagem (ênfase, metáfora, repetições, ritmo) para provocar o mesmo sentimento no leitor. Percebemos então o seguinte: nos textos literários há uma conexão interdependente entre "o que se diz" (o assunto/tema do texto) e o "como se diz" (a forma como o texto é dito).

* TEXTO LITERÁRIO – Texto com função estética, que explora diferentes recursos lingüísticos e estilísticos para produzir um efeito artístico. Predomina, portanto, o sentido conotativo (figurado), aquele que permite interpretações diferentes do sentido literal da palavra. Exemplos: a letra de uma canção, um poema, uma narrativa ficcional, entre outros.
* TEXTO NÃO-LITERÁRIO – texto com mera função utilitária (informativa, argumentativa, científica, entre outras). Aqui temos o predomínio do sentido denotativo (literal), em que a palavra é tomada em seu significado básico. Exemplos: O manual de instruções de um eletrodoméstico, uma notícia de jornal, entre outros.

A partir da riqueza de significados do texto literário, podemos constatar o fenômeno da POLISSEMIA (multiplicidade de significados). Observe a última estrofe do poema Profundamente, de Manuel Bandeira.

[...]
Quando eu tinha seis anos
Não pude ver o fim da festa de São João
Porque adormeci.

Hoje não ouço mais as vozes daquele tempo
Minha avó
Meu avô
Totônio Rodrigues
Tomásia
Rosa
Onde estão todos eles?

- Estão todos dormindo
Estão todos deitados
Dormindo
Profundamente.


A expressão 'dormindo profundamente' adquire um significado diferente do convencional (referente ao sono), aludindo, de maneira sutil, à morte (eis o uso conotativo da palavra). Temos aqui uma figura de linguagem chamada "Eufemismo", que estudaremos mais adiante.

Quanto à forma, o texto literário pode se apresentar em prosa ou verso. O texto em prosa se organiza de forma linear, em parágrafos, compostos de orações e períodos, como o parágrafo que você está lendo agora. Os poemas, por sua vez, se estruturam em versos (cada uma das linhas do poema) e estrofes (conjunto de versos), como vimos em "Profundamente", de Bandeira.

TESTES

*Selecionamos duas questões do ENEM para você, com gabarito no final do post.

1. Questão (ENEM): Érico Veríssimo relata, em suas memórias, um episódio da adolescência que teve influência significativa em sua carreira de escritor.

Lembro-me de que certa noite . eu teria uns quatorze anos, quando muito . encarregaram-me de segurar uma lâmpada elétrica à cabeceira da mesa de operações, enquanto um médico fazia os primeiros curativos num pobre-diabo que soldados da Polícia Municipal haviam carneado.. (...) Apesar do horror e da náusea, continuei firme onde estava, talvez pensando assim: se esse caboclo pode agüentar tudo isso sem gemer, por que não hei de poder ficar segurando esta lâmpada para ajudar o doutor a costurar esses talhos e salvar essa vida? (...)
Desde que, adulto, comecei a escrever romances, tem-me animado até hoje a idéia de que o menos que o escritor pode fazer, numa época de atrocidades e injustiças como a nossa, é acender a sua lâmpada, fazer luz sobre a realidade de seu mundo, evitando que sobre ele caia a escuridão, propícia aos ladrões, aos assassinos e aos tiranos. Sim, segurar a lâmpada, a despeito da náusea e do horror. Se não tivermos uma lâmpada elétrica, acendamos o nosso toco de vela ou, em último caso, risquemos fósforos repetidamente, como um sinal de que não desertamos nosso posto..
VERÍSSIMO, Érico. Solo de Clarineta. Tomo I.
Porto Alegre: Editora Globo, 1978.

Neste texto, por meio da metáfora da lâmpada que ilumina a escuridão, Érico Veríssimo define como uma das funções do escritor e, por extensão, da literatura,
a) criar a fantasia.
b) permitir o sonho.
c) denunciar o real.
d) criar o belo.
e) fugir da náusea.


2. Questão (ENEM)

Texto I
O tempo passa, e com ele os fatos que constituem as experiências humanas. Isto não significa que sejam esquecidas: tudo pode se conservar enquanto memória afetiva ou aprendizado.

Texto II
O vento varria os meses
E varria os teus sorrisos...
O vento varria tudo!
E a minha vida ficava
Cada vez mais cheia
De tudo.

(Manuel Bandeira)


É correto afirmar que
a) o texto I é mais objetivo que o II, além de ter um ritmo mais marcado.
b) esses textos consideram a passagem do tempo de perspectivas opostas.
c) o texto II vale-se de sonoridades que dotam sua linguagem de intenção expressiva.
d) o texto II perde, por sua subjetividade, o poder de expressar uma convicção sobre o tempo que passou.
e) esses textos adotam formas diferentes de linguagem com o mesmo objetivo de informação.

Respostas: 1-C 2-C

Nenhum comentário:

Postar um comentário